Pular para o conteúdo principal
  RealCorp Assessoria Industrial
                                                         http//www.realcorp.ind.br   


Bem-Vindos ao post 001/19

Considerando a explosão do mercado de Energia Sustentável, 
iremos tratar dos aspectos negociais do segmento Energia Sustentável.  Vamos abordar a Ética negocial, o compliance. Veremos as armadilhas aplicadas pelos maus negociantes, e como podemos evitá-las. 
Vamos falar sobre metodologias que ajudam em uma boa negociação. Transitaremos sobre perfis de bons e maus clientes.

Sempre objetivando o bom negócio, o negócio Ganha x Ganha.

Nossa experiência de mais de 40 anos de estrada, nossas certificações nacionais e internacionais, permitem que possamos reconhecer á distância, bons e maus negócios (mesmo que pareçam bons).
Começo separando o mercado de clientes, utilizando a proporção do Pareto, ou regra do 80  20.  Também neste universo de compradores, podemos dizer que 80% do mercado não negocia bem e que apenas 20% sabe negociar.
Normalmente a Lei do "Gerson" fala mais alto. São clientes que ainda não entenderam que o vendedor tem que ganhar o justo de mercado, querem tirar vantagem,  nesta linha tem o cliente esponja, querem absorver todo o seu conhecimento, viram "especialistas na matéria e tentam usar as informações que você forneceu, contra você na hora do fechamento.
Qual é o justo de mercado? é uma remuneração que permita o vendedor crescer, ficar cada vez mais forte, e por decorrência poder cada vez mais prestar um serviço melhor. Para isso, ele tem que ser profissional, competitivo e focado na perfeição da melhor entrega, seja serviço ou produto.
Do outro lado, temos os fornecedores que também não revogaram a Lei do "Gerson", querem enganar o cliente, omitem dados relevantes, aproveitando-se do desconhecimento dos clientes. Vendem gato por lebre.
No meio deste cenário, temos o fenômeno da similaridade. A maioria vende o mesmo produto, com os mesmos argumentos, com as mesmas propostas, e usam os mesmos argumentos. Restando para o cliente apenas o preço para tentar diferenciar um do outro.

Já os 20% do fornecedores de primeira linha, se diferenciam com propostas mais robustas, endereçando aspectos quer sequer são conhecidos da grande maioria, nos posts seguintes abordaremos especificamente estes fornecedores.
Em todo o mercado novo temos  muitos aventureiros (Ex instaladores de Refrigeração, ex vendedores de serviços) que tiram um cursinho de 16 horas, compram uma mala de ferramentas e viram experts em energia alternativa, e ainda vendem uma garantia de 25 anos. (Vocês acham que ele vai entregar?) 
Isto é natural em todo o mercado abrangente.
O mercado vai selecionar naturalmente, deixando pelo caminho os aventureiros e fortalecendo a posição dos profissionais, nem sempre os mais baratos.
Pelo caminho também teremos frustrações de clientes, que pediram para serem enganados.
Para que o cliente possa realizar o melhor negócio é que criamos este blog.
Pensem nisto  e até o próximo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CLIENTE  CORPORATIVO:
Continuando, neste post vamos focar neste decisor.
Clientes corporativos, neste caso a decisão normalmente é fruto de um trabalho colegiado, com vários decisores: - Decisor econômico, normalmente se preserva do contato com os fornecedores, e é escudado pelo próximo decisor na cadeia decisória, que tem a missão de analisar os aspectos técnicos da solução/ produto. - Decisor Técnico, que tem o poder de dizer não, mas não tem o poder de decidir sozinho, ele encaminha para o decisor econômico as propostas que passaram pelo seu crivo técnico; - Decisor Aconselhador, pessoa ou empresa que tem credibilidade do decisor técnico, e é ouvida sempre que uma decisão deve ser tomada.  Descobrir ou desenvolver este decisor pode ser decisivo para suas pretensões. - Decisor Usuário, pessoa ou grupo de pessoas que irão se beneficiar ou sofrer com seus produtos ou serviços.  Estes últimos muito negligenciados no processo de venda, praticamente são ignorados pelos sales rep´s
É muito…